terça-feira, 19 de março de 2013

CODORNA JAPONESA

A maior vantagem da criação de codornas é a rapidez com que o investimento retorna.


 Pequenas e Lucrativas

 
 
 

      A criação de codornas é um ramo da avicultura que tem despertado grandes interesses nos produtores, pelo seu rápido retorno econômico. A atividade possui dois grandes atrativos principais, sendo compreendidos pela produção de carne
e ovos e ainda pode-se obter renda adicional com a produção de codornas de um dia e codornas recriadas com 20 a 35 dias de idade.

As codornas são aves de pequeno porte, muito dóceis e de fácil manuseio(e pode se tornar muito lucrativa também). Ela não é muito exigente em sua alimentação pois come diversos tipos de alimentos(veja na seção sobre alimentação), vive bem na maioria dos climas, é uma ave bem caseira. Na seção sobre codornas você irá saber tudo sobre elas: Tudo sobre alimentação, Manutenção dos viveiros ou gaiolas é um fator muito importante.

 

 Onde Criar Codornas?

Para iniciar sua criação é necessário em primeiro lugar viabilizar as instalações, estas devem ser em local bem arejado sem ocorrência de ventos fortes, o terreno seco com fácil drenagem , a água deve ser em abundância e de boa qualidade, possibilidade de energia elétrica, e afastamento suficiente de núcleos urbanos e outras explorações avícolas. Deve se fornecer uma dieta equilibrada e dar atenção aos cuidados de manejo e sanidade.
Recomenda-se sempre a quem vai iniciar uma criação que
comece com um lote pequeno pelas seguintes razões:
a - ganhar experiência na criação, se cometer algum erro não vai lhe custar tão caro;
b - conhecer os segredos do mercado e achar o seu nicho.

Caso você adquira as codornas com um dia de nascida, é necessário que providencie uma fonte de calor de 30°C durante a primeira semana, a temperatura deve ser reduzida para 27°C na segunda semana, da terceira semana em diante a redução de ser gradual até atingir a temperatura ambiente.
Nos primeiros 3 dias forneça uma ração que tenha antibiótico para prevenir possíveis infecções.
Após 25 dias comece a fazer a seleção dos que serão destinados para reprodução e os que vão para o abate. As aves que irão para o abate devem ser criadas ate atingirem o pêso de 120 gramas. As aves que vão para o abate consomem em média 1kg de ração.
A ração inicial deve ter 27% de proteínas, a ração final ou seja, após 35 dias, deve ter 22% de proteínas.

Caso você opte pela criação de reprodutores, a primeira coisa a fazer é uma seleção rigorosa na escolha das aves. Em torno dos 40 dias de idade, as codornas começam a por ovos, os primeiros 15 ovos não devem ser aproveitados para incubação, geralmente são pequenos. As fêmeas que não puserem 7 ovos em 10 dias devem ser eliminadas.
As codornas devem, preferentemente ser criadas em baterias gaiolas, por ocuparem menor espaço, além de facilitar o manejo da ave. Estas baterias e gaiolas de criação podem ser de construção caseira, empregando-se tábuas e tela de arame, ou, ainda, adquiridas no comércio. Devem ficar ao abrigo, em cômodo vedado e ventilado. 1- Baterias de Reprodução Destinadas àquelas aves de reprodução, devem ser de abrigo coletivo: uma gaiola para um macho e 2 a 3 fêmeas. Um conjunto de gaiolas superpostas formará as baterias. 2- Baterias para Produção de Ovos Destinadas somente às codornas fêmeas em período de postura, são constituídas por grupos de pequenas jaulas justapostas para o abrigo de 2 a 3 aves.



3- Gaiolas Criadeiras Com aquecimento elétrico, são utilizadas para a criação do pintinho, desde a eclosão até a idade mínima de 15 dias. Este tipo de criação em piso forrado de maravalhas e aquecido com campânula ou lâmpada. Os bebedouros devem ser do tipo copo de pressão, usado para pintinhos de um dia, com mola espiral no espaço destinado à bebida, ou do tipo mangueira fina, cobrindo toda a extensão, de maneira a evitar que os pintinhos se afoguem. 4- Bateria de Engorda Constituída por conjuntos de jaulas coletivas, destinam-se à criação das codornas para o abate. A engorda ainda poderá ser feita em piso forrado com cama à semelhança da criação de frangos. O cômodo deve ser adequadamente vedado, e é possível criar entre 120 a 150 aves por metro quadrado.
 
 

Consumo de Ração

 
Desde o nascimento até atingirem a idade adulta, as codornas consomem muito pouco, daí a grande vantagem em se criar esse tipo de ave, pois tudo o que elas comem é transformado em carne, ovos e esterco. Senão, vejamos.

Uma codorna, com a idade de até uma semana, consome, por dia, 2,5 9 de ração e na segunda semana, 5 g. Dos 15 aos 25 dias, o seu consumo é de 10 a 12 9 por dia. Dos 25 dias em diante, a média diária é de 30 g. Porém, a ração a ser ministrada para as codornas deve ser balanceada com teores adequados de proteínas e vitaminas.

Queremos dizer que o consumo de uma codorna, desde o nascimento até o início da postura ou abate, é de apenas 1 kg. Que outra ave poderá oferecer tanto? :)
 

Alimentação das Codornas

A alimentação é um ponto vital na criação de qualquer espécie de ave. Os alimentos devem ser ministrados de acordo com o que se espera da ave, ou seja, ração inicial para o crescimento e ração de postura. Portanto, para uma criação de codornas, a alimentação exerce papel preponderante, porque protege-as contra as doenças, principalmente a do enfraquecimento.

Mais adiante daremos as necessidades de ração inicial e de postura para as codornas de 1 a 25 dias.
As codornas, quando alimentadas racionalmente, apresentam rendimento que corresponde exatamente àquilo que se deseja delas, mas é necessário que os alimentos procedam de fontes de confiança.

Existem vários moinhos que fabricam rações balanceadas, destinadas especialmente para essas aves. Esses tipos de ração já são encontradas em casas especializadas em avicultura, podendo ser adquiridos em sacas, ou até mesmo em pequeno varejo.

As codorninhas, nos primeiros 10 dias, recebem a ração em cima do saco ou em fôrmas bem rasas, colocadas no piso da cria¬deira.

Como estamos tratando de criação caseira, isso deve ser feito várias vezes ao dia, pois as aves estão constantemente à pro¬cura de alimento, que deve estar sempre ao seu alcance.

No caso de se encontrar dificuldades para a aquisição da ração específica para codornas, pode-se também usar a mesma utilizada para pintos, à qual se misturam 8% de farinha de carne ou de peixe, quando se trata de pequenas criações para a distração da família ou até mesmo como um "hobby".

Nos três primeiros dias, deve-se adicionar antibiótico e vitaminas à água que é distribuída nos bebedouros.

A ração destinada às codornas deve conter 26 a 27% de proteínas. Quando forem transferidas para as baterias de engorda ou mesmo para as de reprodutores aos 35 dias de vida, receberão outro tipo de ração, ou seja, aquela com maior porcentagem de hidra¬tos de carbono, proteínas e gorduras, ou melhor, ração de postura com 21 a 22% de proteínas. Porém, é necessário que a ração proceda de fornecedor idôneo e que tenha realmente os elementos necessários, a fim de manter o equilíbrio nutritivo das codornas.

A ração deverá ser distribuída duas vezes ao dia, pela manhã e à tarde, entre 25 e 30 g para cada exemplar.

Quando houver excesso de machos, estes deverão ser transferidos para as baterias de engorda, podendo receber verduras co¬mo almeirão, couve e similares. A ração com baixo teor de proteínas (16 a 18%) eleva o teor de carboidratos e graxas.

Em 45. dias, as codornas já estarão prontas para o abate, caso essa for a finalidade!

Ração Inicial

Desde o nascimento até completarem 35 dias, as codorninhas deverão receber a ração inicial. Entre 22 a 25 dias, deve-se proceder à separação de machos e fêmeas. Os exemplares destina¬dos à engorda deverão continuar recebendo ração inicial até o abate, enquanto que os reprodutores receberão a ração inicial até o acasalamento para, em seguida, serem alimentados com a ração de postura.

Na composição da ração inicial entram os seguintes ingredientes: fubá de milho, farelo de soja, farinha de sangue, farinha de carne, farelo de trigo, fosfato bicálcico, sal, sorgo, farelo de mandioca, arroz, gordura, concentrado proteinoso de milho, farelos de algodão, amendoim, colza, girassol e linhaça, leveduras, farinha de peixe e de penas hidrolisadas, farelas de arroz, cevada e tomate, gérmen de milho, farelo proteinoso de milho, calcário, caulim, farinha de ostras, farinha de ossos calcinada e premix (vitaminas + minerais + aditivos).
 

Ração de Postura

A ração de postura deverá ser distribuída ás fêmeas com a idade de 35 dias e para os repodutores, até o final do ciclo de postura.

A ração de postura é composta dos seguintes elementos: fubá de milho, farelo de soja, farelo de amendoim, farinha de sangue, farinha de carne, farinha de peixe, farelo de trigo, farina de ossos calcinada, calcário, sal, sorgo, farelo a mandioca, arroz gordura, concentrado proteinoso de milho, farelo de algodão, colza, girassol e linhaça, leveduras, farinha de penas hisrolisadas, farelos de arroz, cevada e tomate, gérmen de milho, farelo proteinoso de milho, caulim e farinha de ostras.
 

Cuidados com Doenças

A codorna doméstica, sendo de origem selvagem, é imune a muitas enfermidades e, acima de tudo, é forte e muito resistente.

Nos primeiros dias de vida, necessita de muita atenção e requer cuidados especiais. Por exemplo, não se pode, de forma alguma, deixar que se molhe, porque isso poderá ser fatal para ela.

A codorna poderá ser atacada pela coccidiose, que, entre¬tanto, pode ser combatida e controlada com facilidade, usando-se o coccidiostático, administrado na ração, numa proporção de 50 g em cada 100 kg de ração, até os 15 dias de idade. Após esse período, ficará imune à doença.

Para se evitar as doenças, é recomendável o uso de terramicina ou quemicitina solúvel em água, três dias por mês, como preventivo e estimulante para as aves, porque Ihes proporciona um bom aspecto.

Com a higiene, a desinfecção do local, o bom arejamento e a conservação das bandejas coletoras dos excrementos sempre limpas, evita-se o aparecimento de doenças.

Profilaxia

A fim de prevenir possíveis doenças, o criador de codornas deve manter a perfeita higiene dos abrigos onde se alojam as aves. Isso, tanto a parte de incubação e criadeiras, como onde ficam os reprodutores. Insisto em que a falta de higiene é uma das principais causas em doenças de codorna.

Por isso é importante em que, qualquer venda que se faça, não se deve, de maneira alguma, permitir que engradados ou qualquer outro meio de transporte seja levado no recinto da criação. O mais fácil é utilizar uma espécie de caixa para colo¬car as codornas e depois aloja-las na caixa trazida pelo comprador. O pedilúvio, como falamos atrás, também é de suma importância. Este deve ser colocado na porta de entrada, com cal hidratada, a fim de que o visitante esfregue bem os pés, evitando, desta maneira, que traga consigo algum germe que possa ser transmitido às aves.

A limpeza dos abrigos, onde as codornas se alojam, também deve ser feita freqüentemente, não deixando acumuladas sujeiras, principalmente nos cantos das casinhas. O galpão onde se alojam as codornas, também deve ser imunizado com desinfetantes como creolina, lisofórmio em solução de 4 a 8%, querozene, sabão. Nos comedouros não se deve deixar acumular restos de ração, evitando que sua fermentação prejudique a saúde da ave. Os bebedouros também deverão ser lavados com água e sabão, pelo menos uma vez por semana.

Com a prática de limpeza e higiene, assegura-se um plantei de aves sadias, imunes às doenças, mesmo às mais comuns em galináceos, desde que também sejam alimentadas, convenientemente, com ração de boa qualidade.

Quando se desocupa uma das baterias, por exemplo, um meio prático para sua desinfestação é fazer uso do lança¬ chamas, o qual deve ser passado em todas as partes, como também nas paredes, batentes, janelas etc., a fim de eliminar qual¬quer espécie de micróbio, germe ou parasita que por ventura estejam alojados.

Outra medida que o criador deve tomar, é com relação às aves que tenham morrido por qualquer circunstância, as quais devem ser queimadas. O abrigo em que estava alojada a ave morta, também deve ser desinfetado em seguida, para seu reaproveitamento.

Com essas medidas elementares, o criador de codornas poderá assegurar um plantei de aves sadias, imune às doenças.
 
 
 

Consumo - Abate da Codorna

As codornas domésticas não podem ser depenadas imediatamente após serem abatidas, porque a pele sai junto com as penas, apresentando um aspecto desagradável depois de limpas. !: Preciso, depois do abate, deixá-las esfriar para facilitar a tarefa.

No abate de codornas, usa-se o seguinte processo a fim de evitar que sofram muito: apanha-se a ave pelos pés e dá-se uma batida com a cabeça sobre um pedaço de madeira. A morte é instantânea. Deixa-se a ave esfriar e procede-se ao depenamento, que é feito a seco, pois as penas saem facilmente, como acontece com outras aves silvestres.

Os miúdos' das codornas também podem ser aproveitados para diversas finalidades na cozinha. Por exemplo, podem ser utilizados em molhos para acompanhamento de risotos e macarronadas.

A carne de codorna possui altos teores de proteínas, é bastante nutritiva, e de fácil digestão. !: recomendada para dietas de pessoas em qualquer idade: crianças, anciãs e convalescentes.

A codorna pode ser preparada na grelha, do mesmo modo como se faz o frango-de-Ieite.

Depois de limpas, devem ser temperadas com uma vi¬nha-d'alhos,ficando em repouso por certo tempo. Enrola-se uma fatia de presunto e, em seguida; toma-se massa de fazer pão, estica-se como pizza e enrolam-se as codornas, deixando-se apenas o pescoço de fora. Leva-se ao forno até ficarem assa dás.

No preparo de risotos, usa-se a codorna da seguinte manei¬ra: após destrinchada, refoga-se a ave por uns 10 minutos, com óleo, sal e cebola e separa-se toda a carne, tirando-se os ossos. Deixa-se cozinhar por mais tempo, até ficar no ponto. Junta-se arroz e água quente, permanecendo no fogo até ficar completamente cozida.

Outras maneiras de se preparar codornas: ao molho-pardo, do mesmo modo como o frango; ao molho de tomate, que fica uma delícia; e também em sopas, isto é, como se fosse uma canja.

Já no tempo dos romanos, as codornas eram usadas em grandes repastos, nos banquetes que se ofereciam às grandes personalidades da época. Enfim, esse galináceo pode ainda ser preparado de maneiras idênticas aos frangos, galinhas, faisões etc.
Os ovos de codornas, igualmente, podem ser aproveitados para uma infinidade de usos. Na alimentação das crianças é ótimo, em virtude do seu tamanho, pois são deglutidos com extrema facilidade. Para a confecção de massas finas, enfeites, e mesmo como antepasto.

Colocados num palito, quando cozidos ou descascados, intercalados com uma fatia de salame e uma azeitona, é uma tentação e não há quem resista. Pode-se também preparar maioneses ou um aperitivo muito gostoso, principalmente fortificante: colocam-se 18 ovos, com cascas, bem lavados, no liquidificador, e bate-se bem. Em seguida, junta-se uma lata de leite condensado e uma garrafa de vinho do porto, ou tipo moscato

Atribuem-se aos ovos de codornas propriedades medicinais, pois são ótimos para o sistema circulatório e contra o reumatismo.

Um ovo de codorna corresponde a 100 g de leite e, por seu escasso conteúdo de colesterol, é considerado produto recomendável na dieta de hipertensos, arterioscleróticos e pessoas idosas. Pode ser administrado, diariamente, na sopinha do nenê, um ovo cru, que se dilui facilmente, ajudando a fortificar a criança através de um alimento altamente nutritivo.
 

Mercado Consumidor

O hábito de se consumir carne e ovos de codornas vem aumentando a cada dia, através do grande interesse verificado em torno dessa especiaria. Estas aves podem ser vendidas tanto em supermercados como nas feiras-livres, em aviculturas, ou ainda em restaurantes, bufês e hotéis de nível elevado. Também nos bares onde servem petisqueiras, as codornas já são consumidas em forma de petisco.

Para o criador de codornas, também existe outra alternativa, ou seja, comercializar matrizes para novos criadores, um bom negócio para quem já tem outra atividade dentro da chácara, sítio ou fazenda, e até mesmo na cidade, porque, como já foi dito, o espaço ocupado para a criação de codornas é mínimo em comparação com o de outras aves.

Nos países europeus, os pratos preparados com codornas são servidos em grandes cerimônias e festas. Aos que criam codornas, não haverá grandes problemas na colocação do produto no mercado, desde que se faça uma pesquisa na região onde se vai começar a criação, para sentir o potencial de venda.

O criador deverá iniciar com um pequeno lote, não só para aprender o manejo, mas também para verificar possibilidade de colocação da produção.

Antes de 1939, isto é, quando não existia ainda o Código de Caça, eram servidos, nos melhores restaurantes, pratos confeccionados com aves silvestre, mas, a'pós a proibição, já não existem mais estas petisqueiras, de primeira categoria, não só em valor nutritivo, mas principalmente pelo sabor agradável. Era muito comum ver-se nos cardápios os seguintes pratos: perdiz-à-caçadora, codorna ao molho-pardo, jacu, inhambu e outras aves silvestres.

As codornas domésticas vêm preencher, em muito boa hora, uma lacuna no campo da arte culinária, podendo-se ter fartura, porque sua criação é rápida, vantajosa e de grande rendi¬mento, quando feita racionalmente, dentro dos padrões adequados e bem manejada.

Por ser o seu rendimento em curto prazo (45 dias) e seu consumo alimentar mínimo, as codornas não poderão ser vendidas a preços exorbitantes.

As codornas poderão perfeitamente substituir o frango-de¬-leite, com muito mais vantagem, não só para aqueles que criam, mas principalmente para as casas de pasto e para quem vai saboreá-las.
 

Aproveitando o Esterco!

As bandejas onde se alojam os reprodutores, as poedeiras ou os exemplares para engorda deverão ser limpas a cada dois dias. Os excrementos serão conservados em lugar seco, numa espécie de esterqueira, para serem curtidos. O esterco de codornas, depois de curtido, tem grande utilidade, principalmente para hortas, jardins, pomares e uma infinidade de outras plantações, pois é muito rico em nitrogênio.

O esterco, depois de bem seco, poderá também ser comercializado, da mesma forma como o de galinha, ou seja, moído e ensacado em pacotes de 1 e 5 kg, sistema também usado com o estrume de coelhos.

Antes de ser usado nos canteiros, esse tipo de adubo orgânico precisa ser totalmente incorporado à terra e deixado em repouso pelo menos durante 10 dias. Depois disso, deverá ser remexido novamente antes de se semear ou plantar.
 

Um comentário: